terça-feira, 26 de maio de 2015

ESTRELA

A estrela amanheceu
E fez-se sol.
Plenamente absoluta
Reinava em si bemol.
Entoava melodias,
Enternecendo o horizonte
Prenhe de expectativas
Entorpecidas nos seus montes.
A estrela adormeceu
E desfez-se o encanto.
Aconchegando no regaço
Ao som do terno acalanto
Todos aqueles que sonharam,
Um dia, estarem sob seu manto.

sábado, 23 de maio de 2015

CAMINHO

Na poça d'água via-se refletida.
Linda!
Acreditando na fresca imagem
Ganhou coragem para seguir.
Enxugou os olhos.
Recompôs-se do pranto
E sorriu para o horizonte,
Próximo amante a enternecer.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

IDEIAS

Na vontade de rever o nascer do sol,
Distanciava-se cada vez mais
Da sua marca,
Previamente estabelecida,
Por aqueles que comandavam a cena.
Tantos foram os recuos,
Que, quando deu por si,
Já fazia parte de um outro contexto.
Entusiasmada, no novo palco,
Iniciou a história pelo seu contrário.
Quem sabe começando do fim,
Poderia traçar um começo mais interessante?

sábado, 9 de maio de 2015

INVASIVA

Transbordava.
Tinha o difícil problema
De não caber em si.
A alegria lhe escorria
Em fitas coloridas 
Pela boca.
A tristeza, em rios escuros
Pelos olhos.
A raiva,
Em faíscas vibrantes
Pelo corpo todo.
A paixão
Em ondas cintilantes
Que alcançava todos ambientes
Embalada pelo som de sua
Gargalhada cristalina.

sábado, 2 de maio de 2015

CADEIRA

Dedicava-se, intensamente, ao desapego.
Pensava, por todos os ângulos,
Em como fugir daquela situação,
Incômoda, cansativa.
Não via caminhos,
Não queria ver.
Um dia teria que decidir
Entre as duas opções prováveis:
Ir ou ficar.
Enquanto isso,
Chocada com sua falta de iniciativa,
Exercitava o triste jogo
De pena de si própria
Acomodada na sua cadeira
De alto espaldar.

quinta-feira, 30 de abril de 2015

NONSENSE

Do alto das ideias criativas
Desenhou um sapo alado.
Pintou, cuidadosamente, de azul.
Recortou milimetricamente.
Deu-lhe um beijo
No mesmo instante 
Que o largava pela janela.
Materializado, no passe de mágica,
O príncipe, incrédulo,
Estatelou-se no chão,
Pois não percebeu que tinha asas.
Pronto, pensou.
Sem riscos de cair no antigo conto de fadas
Voou em direção ao novo destino,
Além da linha do horizonte
Onde se encontraria com
O almejado pote de ouro.
Afinal, era uma bruxa.

domingo, 26 de abril de 2015

FINALIZE

Com a alma
Despudoradamente desnuda,
Desfilava entre as hordas
Aos gritos de "viva!".
Ia sem pressa,
Aproveitando cada olhar,
Cada indagação a respeito
Do significado da cena.
...
...
...
(Finalize, eu deixo...)
; )

sexta-feira, 24 de abril de 2015

GATA

Macia, desliza nas entrelinhas.
Rola e engana
A quem se desconcentra
Com sua manha.
Seduz, sempre,
Na promessa do nada utópico.
Ri de soslaio
Diante da boquiaberta
Presa, presa...

quarta-feira, 22 de abril de 2015

TRISTE

Queria morrer,
Havia decidido há algum tempo.
Fechou os olhos
E instalou-se em estado de cegueira.
Parou de andar,
Conduzindo-se a um estado inerte.
Não quis mais comer,
Dividindo seus dias com a inanição.
Assim ficou, quieta, a espera,
Envolta na névoa de orações,
Freneticamente repetidas,
Por aqueles 
Que a amavam 
De verdade.

sábado, 18 de abril de 2015

ESCADAS

As escadas se confundiam.
Nunca sabia se partia ou chegava.
Subia ao descer.
Descia a subida.
Degraus materializavam-se
A medida que sumiam.
Coisa estranhas aconteciam
Naquela tarde.
Agarrou-se ao corrimão
Para entender os desenhos.
Queria retornar ao ponto inicial.
Almejava alcançar o final.
Conseguiria, com certeza.
Precisava ter calma
E concentração.
Só isso.
Calma
Con cen tra ção.

domingo, 5 de abril de 2015

INVISÍVEL

Não se sentia amada.
Levava a vida sempre em segundo plano.
Tudo era mais importante do que ela.
Servia, oferecia, guarnecia.
Era estepe para as mais diversas dores.
Só era lembrada na necessidade,
E tão logo que ela se fosse,
Retornava a sua condição de nada.
Morreu na rotina da tarde,
Sem uma lágrima de surpresa
Ou um suspiro de dor.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

FORÇA

Gosto da quantidade,
Do exagero.
Sou prolíxa.
Meus gestos são amplos
E minha voz, alta.
Rio com frequência
E choro aos soluços.
A intensidade me condena
A aparecer.
Sempre e mais.
Não desgosto.

sexta-feira, 27 de março de 2015

EVOLUÇÃO

Livre da dor,
Subiu na prateleira
E acomodou-se.
De agora em diante,
Observaria apenas, 
Totalmente desonerado
Da incômoda obrigação
De sentir.

quarta-feira, 25 de março de 2015

LOUCURA

Sempre teve a loucura
Como seu mais caro esconderijo.
Via de soslaio
Falava de viés.
Gargalhava guturalmente,
Com a boca do estômago.
Movia-se no melhor estilo
Desconjuntado.
Era feliz no âmago
E infeliz na máscara
Que tão eficazmente
O dissimulava.
Sorria a incompreensão
De todos.

domingo, 22 de março de 2015

MEU PAI

No primeiro amanhecer do outono,
Cobriu-se de luz e partiu.
Deixou para trás
A rota veste
Desgastada pelos anos de uso
E abusos da vida.
Foi cantando e sorrindo,
No seu jeito bonachão inconfundível
De boêmio
Que está chegando
Para mais uma noite de festa.
Que tragam a cerveja!


Meu pai partiu ontem
E acho que foi exatamente assim...
E os anjos que se preparem, pois,
Segundo ele, "viveu tudo que pode
E morreu contrariado".
Fica bem, pai.
Fico aqui, com a lembrança.
Amém.

quinta-feira, 19 de março de 2015

PAI

Naquela praia,
Onde tudo era lindo,
Olhava o mar.
O sussurro das ondas
Era o que levaria
Para compor seu tudo
E seu todo.
Ao final,
O sentido retornaria 
À origem.
Desfez-se em pó
E ao sabor dos ventos
Singrou sem rumo certo.
Pertenceria ao infinito
Por seu todo sempre.

terça-feira, 17 de março de 2015

VOO

Pisando na areia,
Sentia a resistência do natural.
Difícil arte de seguir em frente.
Largou os cabelos ao vento
E voou.

domingo, 15 de março de 2015

FRASE

"Sexo eu tenho, sinto falta é de carinho." Costurada, meticulosamente, à conversa casual de fim de tarde, a frase lançou-se ao olhar vago daquele que só ouve o que lhe é conveniente, escondendo-se, em seguida, sob os lençois amarrotados da cama desfeita. A vida segue impassível.

quinta-feira, 12 de março de 2015

SONHO

Cuidado, te peço.
Olha com vagar.
Sente a energia,
Meticulosamente escondida,
Nos contornos.
Vibra.
Tem por base a mesma nota,
Que percebes na repetitiva escala
Dos suspiros.
Momento infinito
De prazeres findos.
Vive. Sorri. Sonha.
Dorme...

terça-feira, 10 de março de 2015

PENSAMENTO

Sentada tricotava.
Tecia a manta, ponto por ponto,
Com intensidades diversas.
O resultado, que surgia
Das desregradas agulhas,
Não era uniforme.
Ora solto, ora preso, 
Ora perfeito, ora defeituoso...
Nada, nem ninguém a dissuadia
De sua tarefa:
Provar que o imperfeito 
Pode ser ideal.
Depende da necessidade
Daquele que busca.

domingo, 8 de março de 2015

SOU

Luto.
Brinco.
Choro.
Sorrio.
Busco.
Amo.
Escrevo.
Grito.
Reparto.
Determino.
Faço.
Recomeço.
Finalizo.
Amparo.
Empurro.
Dou a luz...
Componho-me e
Recomponho-me
Dos mais variados verbos
Em todas as conjugações
Para me tornar tanto única 
Como apenas mais uma.
Sou mulher
Orgulho-me.


quinta-feira, 5 de março de 2015

ATOS

Danço
Os estreitos caminhos do recomeço.
Rumo
À luz da sabedoria consolidada.
Respiro
O colorido do ar esquecido.
Sorrio
Brisas de tranquilidade madura.
Saboreio
A maçã mordida de vida.

quarta-feira, 4 de março de 2015

SUPORTE

Na espera da tua morte iminente,
Desfaço os quebra-cabeças
Que serviram de suporte
Para nossas vidas.

sábado, 28 de fevereiro de 2015

RETORNO

Andava dentro de sua própria cabeça
Como se fosse uma sombra.
Dançava músicas de um passado distante.
Recitava poemas crus de dores atrozes.
Lia livros, esquecidos há muito,
No canto mais empoeirado da estante.
Assombrava a si mesmo
Com uma regularidade decrescente.
Aos poucos voltaria à vida.
O tempo escoava rápido.
Sabia que o retorno já a observava
Do lado de fora.
Esperando um momento de distração
Para arrebatá-la.
Recusava-se, no entanto,
A antever o instante.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

DERROTA

A tristeza escorre
Pelos olhos.
Desce, impedindo
Os mais simples movimentos.
Imobilizada, sucumbe ao desejo
De amalgamar-se
Ao lodo negro que a fixa pelos pés.
"Então o fim é assim?" - pensou.
Depõe as armas,
Deixa esvair as forças.
Resigna-se com a derrota.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

ANTROPOFÁGICO

O escuro e o claro.
Complementos do todo.
Ora um, ora outro.
Alternância bipolar.
Desconheço caminhos.
Fujo dos objetivos.
Escondo-me no meu
Umbigo.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

CONVICÇÃO

Envolta em véus
Deixava-se ver 
Parte à parte.
Acreditava que 
A completude
Sufocava
A real beleza
Escondida
Nos até então
Imperceptíveis
Detalhes...



segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

LEVEZA

As sombras brincam
De esconde-esconde
Ocultando-se nos corpos
Que deslizam pelas ruas.
Desavisados, dão abrigo
Ora a uma, ora a outra, 
Ora a várias.
Desconforto?
Nenhum!
Recompensa?
O alegre frenesi
Dos movimentos leves...

sábado, 31 de janeiro de 2015

ARTE

As rotas raízes 
Cedem pouco a pouco
O voo próximo causa temor.
Difícil arte essa do desapego...

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

APLAUSOS

Passo por entre o mundo
Causando um movimento regrado.
Milimetricamente previsível,
Gosto que antevejam meus passos.
Atuo para a plateia,
Que, satisfeita,
Se esquece de tentar investigar
Aquilo que, de fato,
Faria sentido.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

FELIZ 2015!

Queridos Amigos!
Esta é a minha família e todos desejamos
Um Feliz 2015 para todos nós!


Muitos beijos!
GISA